Bitcoin: A média dos custos em dólar dá a você estes três com baixo desempenho

É seguro dizer que 2020 tem sido como nenhum outro ano. Não apenas no mundo real, mas também no mercado de Bitcoin. A moeda real começou em US$ 7.200, reduziu seu preço pela metade até março, reduziu sua oferta pela metade em maio e dobrou seu preço até outubro. Essa é uma montanha-russa dos diabos.

Apesar deste aumento de preço quase constante desde março, pelo menos, o dinheiro e a atenção só recentemente começaram a chegar. O que é ainda mais surpreendente é que este ‚dinheiro‘ não está na forma de investimentos, está na forma de comércio casual.

As compras de grande valor em dinheiro, aliadas à alavancagem de dois dígitos construída em sonhos de tubos, não duram. O que vai durar e dar retornos decentes é uma tese de investimento disciplinada e estruturada. O que é ainda mais surpreendente é que uma tese de investimento disciplinado e estruturado teria lhe trazido um retorno maior antes desta corrida de touro, do que nela. Não acredita em mim? Vamos descobrir.

A idéia

Mais uma vez, adotamos a tese de cálculo da média dos custos em dólar. Uma estratégia simples de investimento cotidiano, onde o objetivo é manter o hodling e não vender. É claro que, para medir o retorno, devemos comparar o valor do BTC desviado com o preço de fechamento.

Com os mercados em fúria nos últimos meses, é seguro supor que a maioria das pessoas teria apostado no segundo semestre do ano dando um retorno maior do que no primeiro semestre de 2020. Entretanto, ao adotar uma estratégia de média de custos em dólar e verificar os retornos mensais, pode-se observar que um mercado em recuperação dá mais retornos do que um mercado em alta.

Para reiterar, é assim que abordamos os retornos e os medimos mensalmente. Adotamos uma média de custo em dólares de 10 dólares por dia, o que significa que compramos 10 dólares de Bitcoin por dia desde o início do mês até o final do mesmo. Com base no valor de BTC coletado, medimos isso em relação ao preço de negociação na última data do mês, o que nos dá nossos retornos. Medimos então os retornos em relação a nossos investimentos iniciais e verificamos se tivemos ou não lucro.

Por exemplo, $10 investidos diariamente em janeiro resultariam em um investimento total de $310. Digamos que você comprou 0,005 BTC no mês (isto é mais de 31 dias e não em 1 de janeiro ou 31 de janeiro). Se o preço do Bitcoin aumentasse e em 31 de janeiro você vendesse o BTC de 0,005 por $350, seu retorno seria de $40 ou 12,9% sobre seu investimento. Estaremos seguindo esta abordagem de janeiro a novembro. Nota rápida, para novembro, estaremos olhando para os primeiros 20 dias, porque ainda está em andamento.

Os que têm baixo desempenho

É inevitável que alguns meses lhe tenham dado um retorno negativo. Tal é a natureza do investimento. Mesmo em uma tese de investimento tão estruturada, três meses de investimento mal realizado, dando um retorno menor do que nosso valor investido. Esses meses foram – fevereiro, março e junho.

Do trio, o participante óbvio é março. Uma vez que os mercados caíram mais de 50% em meados de março, era inevitável que fosse incluído. Deve-se notar que a quantidade de Bitcoin que você poderia comprar em março, no pior dos casos, é o triplo da quantidade que você poderia comprar agora mesmo. Essa é a beleza da média. Fevereiro e junho voltaram negativos porque o primeiro viu uma rápida ascensão e queda, e o segundo porque não conseguiu consolidar a recuperação estável dos meses anteriores. Eis como o investimento foi feito.

A chave para a retirada desta tabela é a última linha. Fevereiro retornou -11%, março -3,2%, e junho -3,5%. Apesar de março ter sido o mês mais manchete por causa de sua queda, teve o maior retorno dos três. E mesmo com o Bitcoin subindo acima de US$ 10.000 em fevereiro, teve os piores retornos. A razão disso é que houve muito mais do que seus altos e baixos no mês, que são capturados pela média dos custos em dólares.

Nos próximos dois artigos, veremos quais os meses que deram retornos fixos, e quais os meses em que houve crescimento de dois dígitos. Você nunca adivinhará qual é a situação de outubro e novembro.